HRMS leva tratamento via telemedicina a pacientes da Covid-19

POSTADO EM.: 26 de julho de 2020 ...

A crise gerada pelo coronavírus trouxe impactos e desafios sem precedentes para o sistema brasileiro de saúde. O aumento crescente de demanda, concentrada em um curto espaço de tempo, sem estimativa de prazo ou de quantidade, tornou o gerenciamento da situação um exercício constante de criação de cenários.

E foi na esteira desta criatividade que o HRMS adotou o sistema de Telemedicina cujo objetivo é atender pacientes de Covid 19 que estão sendo tratados em casa, e os familiares dos pacientes que estão internados. O objetivo é o monitorar os sintomas e acompanhar a evolução do quadro.

A equipe, composta por 13 médicos de diversas especialidades, é dividida em dois grupos de atuação que trabalham de domingo a domingo. Um grupo fica encarregado de monitorar os pacientes e o outro os familiares. Com a telemedicina é possível atender os pacientes em isolamento e àqueles que já passaram pelo tratamento, mas ainda necessitam de atenção.

A diretora Rosana explica que o trabalho acompanha toda evolução da doença (foto: Divulgação HRMS)

O atendimento a distância, além de acompanhar a evolução da Covid 19 contribui para diminuir a curva de contaminação porque evita que essas pessoas se desloquem de suas casas até o hospital, comprometendo o isolamento. “Como a doença é nova há muitas perguntas e dúvidas que acarretam inclusive quadros de ansiedade”, explica coordenadora do sistema de Telemedicina, doutora Christina Fleury.

Considerado hospital de referência no Estado para o tratamento do Coronovírus, o serviço de telemedicina vem somar aos esforços da equipe do HRMS que cuida dos seus pacientes desde a entrada até sua completa recuperação. “Nosso trabalho vai além dos muros do Hospital”, explica a médica Rosana Leite de Melo, Diretora-Presidente da instituição.

Em sua avaliação, a telemedicina possibilita levar aos pacientes em isolamento e àqueles que já passaram pelo tratamento, mas ainda necessita de orientações médicas para que possam, em casa, terem acompanhamento e avaliação continuada até o fim do tratamento sem a necessidade de retornar ao hospital.

Serviço leva segurança e conforto aos pacientes

Desde o dia oito de abril, data em que teve início o primeiro grupo de Telemedicina até esta última quinta-feira (dia 23.07) 272 pacientes obtiveram alta, sendo 207 casos confirmados e 89 casos ainda continuam sendo monitorados. O grupo de apoio aos familiares de pessoas internadas com covid-19 atendeu 186 ocorrências de alta e atualmente 110 familiares continuam recebendo o atendimento médico telefônico. “Algumas pessoas até nos pedem para que a gente continue telefonando para eles, mesmo depois da alta, tamanha segurança proporcionada pela equipe” conta a doutora Christina.

Dra. Crhistiana Freury e Dr. Virgílio monitoram pacientes e familiares do coronavírus (foto: Divulgação HRMS)

Além dos pacientes com diagnóstico positivo para o Covid 19, mas sem necessidade de internação, o primeiro grupo também monitora todas as pessoas que passaram pelo HRMS apresentando algum sintoma da doença e aqueles que apresentam quadros mais graves de síndrome gripal. Este acompanhamento é vital, já que a Covid 19 pode evoluir de um dia para o outro.

A importância do rastreamento

“Aqui também salvamos vidas”, diz um dos médicos da equipe, doutor Virgílio Gonçalves de Souza Júnior.  ”Nosso papel é monitorar na busca precoce de casos”, explica. É importante esclarecer que quando um membro da família está infectado, todos que estão na mesma casa correm o risco de contaminação. Por isto é necessário este rastreamento que consiste na busca de informações. As ligações são feitas para todos pacientes e familiares a cada 24 ou 48 horas.

O médico faz questão de ressaltar que boa parte da população negligencia a gravidade da doença e não respeita as regras de proteção. “O isolamento é a nossa principal arma na luta contra a Covid 19”, pontua. A preocupação aumenta sobretudo quando os próprios profissionais de saúde já estão adoecendo. “É preciso ter sensibilidade e conscientização”, alerta.

Muitas vezes o paciente só precisa de uma palavra amiga para se sentir bem. É o que afirma outro membro da equipe de Telemedicina, doutor Leonardo Rodrigues Resende. Mas nem sempre a história que ouvem do outro lado da linha é positiva. “Tem casos tristes de pessoas que estão internadas e não podem se despedir de algum membro da família que morreu; mãe e filha que estão hospitalizadas e só uma delas consegue sobreviver”, conta. Por isto na equipe não raro os médicos também fazem o papel de psicólogos.

Há casos de famílias inteiras internadas com Covid 19, explica a coordenadora do serviço, doutora Christiana. Nestas situações, a pessoa que está em casa fica muito fragilizada. Preservar o isolamento do paciente que está em casa também não é tarefa fácil, segundo ela. “Alguns não tem como colocar comida na mesa senão saírem para trabalhar”, explica.

É importante esclarecer que o atendimento feito pela Telemedicina é exclusivo para esclarecer dúvidas e monitorar pacientes e familiares. Os médicos não receitam nenhum medicamento. A função é perceber eventuais sinais de mudança na saúde dessas pessoas. Caso percebam alguma complicação no quadro, o protocolo é enviar o paciente para o Pronto Socorro onde será atendimento imediatamente.

A crescente demanda pelo serviço de telemedicina levou o HRMS a decisão de recrutar quatro acadêmicos de Medicina para ajudar a equipe. “Aqui só temos hora para entrar e não temos hora para sair”, diz a coordenadora explicando que ninguém vai embora antes de fazer todas as ligações do dia feitas para todos os cantos de Mato Grosso do Sul.

Theresa Hilcar, Subcom
Foto Destaque: Saul Schramm